Atenção
  • JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 997

O prazer sexual da mulher: processo ainda em evolução

Título: O prazer sexual da mulher: processo ainda em evolução
Autor(es): C. A. Dias and E. C. S. Mendonça
Ano: 1999
Periódico: Revista Brasileira de Sexualidade Humana
Volume: 10
Número: 2
Páginas: 165-185
Tipo de Artigo: Trabalhos de Atualização e Opinativos
ISSN: 0103-6122
Língua: Portuguese

Resumo: Partindo-se de observações da realidade clínica, onde inúmeras pacientes apresentam dificuldades concernentes à prática sexual, os autores procuram analisar alguns dos vários fatores que contribuem para o “fracasso feminino” neste campo. Uma análise dos discursos concorrentes para a formação da mulher, parece indicar a existência de estreita relação entre o que é socialmente divulgado e os sentimentos desenvolvidos na mulher em relação ao seu próprio ser. Os sentimentos de culpa e de inferioridade que a maioria das mulheres possui na relação com o ser masculino, é algo construído “a priori”, independentemente do comportamento futuro em relação à vida a dois. Esses parecem ser elementos nodais responsáveis por dificultar a conduta assertiva da mulher, na busca de sua auto-realização. Os sentimentos assumidos compulsoriamente pela mulher, simplesmente pelo fato de ser mulher, favorecem o surgimento de inúmeras dificuldades no campo relacional, seja diante de si mesma, de seus desejos, seja diante do outro, diante da necessidade de tornar real o que para o outro é fantasia, desejo. Diante dos inúmeros impasses relacionais provocados por esta problemática, os autores sugerem como possível solução o desenvolvimento de uma consciência de que a mulher precisa, em sua relação diária com seu parceiro, reeducar-se no tocante ao ser mulher, bem como à compreensão e mudança de atitude diante de sua prática sexual. Daí entenderem que o prazer, o orgasmo, não pode ser considerado no momento como uma habilidade natural da mulher, mas algo a ser desenvolvido como fruto de uma prática educacional, na qual os parceiros se coloquem ao mesmo tempo tal e qual sujeitos e objetos na relação que os envolve.

Entrar