Atenção
  • JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 997

Educação em sexualidade: “ verdade ou consequência?”

Título: Educação em sexualidade: “ verdade ou consequência?”
Autor(es): M. B. A. S. Neves and C. A. C. Gomes
Ano: 2016
Periódico: Revista Brasileira de Sexualidade Humana
Volume: 27
Número: 1
Páginas: 25-36
Tipo de Artigo: Trabalhos de Pesquisa
ISSN: 2236-0530
Palavras-chave: educação em sexualidade; juventudes; HIV/AIDS; gravidez adolescente; ensino médio; sexuality education; youth; HIV/AIDS; teenage pregnancy; high school
Língua: Portuguese

Resumo: Os esforços do setor de educação para diminuir os comportamentos sexuais de risco de adolescentes e jovens ainda são insuficientes e esbarram em preconceitos relacionados à educação em sexualidade. A população de 10 a 24 anos de idade está vulnerável estrutural e socialmente à gravidez, orientação sexual e de gênero, violência sexual, discriminação racial e étnica, violência velada e simbólica dentro e fora da escola. Neste sentido, realizou-se uma pesquisa para analisar as percepções dos estudantes e professores de um centro educacional de ensino médio do Distrito Federal ante as estratégias de educação em sexualidade. Optou-se por um estudo de caso, triangulando as técnicas da observação, análise documental, entrevista estruturada e grupo focal. O Centro Educacional objeto deste estudo desenvolve ações sobre essas temáticas há mais de uma década. Apesar do projeto se mostrar exitoso na percepção adolescente e juvenil, ainda caminha com dificuldades, seja pela ausência no projeto educativo, seja pela perspectiva do encerramento quando a professora líder deixar a escola. Os principais resultados foram: não houve aumento das práticas sexuais em virtude da inclusão dos temas de educação em sexualidade na escola, ao contrário dos temores de parte dos adultos; a maioria dos alunos considera importante o acesso ao preservativo na escola; o episódios de gravidez se reduziram significativamente; ampliou-se o diálogo entre pais e filhos sobre sexualidade; estabeleceu-se maior relação da escola com o serviço de saúde e reduziu-se na escola a discriminação contra os temas de sexualidade. / The efforts of the Education Sector to reduce sexual risky behaviors among adolescents and young people are still insufficient and meet obstacles such as prejudices related to Sexuality Education. The adolescents and youth (10 to 24 years old) are structurally and socially vulnerable: pregnancy, sexual orientation, gender, sexual violence, racial and ethnic discrimination, symbolic violence inside and outside the school. In this sense, we developed a case study to analyze students’ and teachers’ perceptions related to sexuality education at a high school Educational Center on the Federal District. We opted by a case study, based on triangulation methodology and techniques of observation, document analysis, structured interviews and focus groups. The above-mentioned Educational center implements actions related to sexuality education for more than a decade. Although the project is successful for teen and youth perceptions, there are some ongoing difficulties, due to the lack of reference at the educational project, or to the perspective that these actions may be discontinued once the leading teacher leaves the school. The main results were: there were no increase in sexual practices due to the inclusion of sexuality education in the school subjects; most students consider important access to condoms at school; teen pregnancy cases decreased; expanded the dialogue between parents and their children about sexuality; the relation between school and local health service increased and it was reduced school discrimination against sexuality issues.

Entrar