Atenção
  • JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 997

Crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual: a trajetória da denúncia desde a revelação não aceita à revelação aceita

Título: Crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual: a trajetória da denúncia desde a revelação não aceita à revelação aceita
Autor(es): E. J. d. Almeida
Ano: 2005
Periódico: Revista Brasileira de Sexualidade Humana
Volume: 16
Número: 2
Páginas: 299-309
Tipo de Artigo: Trabalhos de Congresso
ISSN: 0103-6122
Palavras-chave: abuso sexual; revelação não aceita; revelação aceita; sexual abuse; not accepted revelation; accepted revelation
Língua: Portuguese

Resumo: Este trabalho dialoga com as expressões comumente utilizadas na teoria e mesmo na clínica relativas ao abuso sexual: síndrome do segredo e revelação do segredo. Entendemos, a partir da nossa experiência clínica de atendimento a adolescentes vítimas de abuso, que os termos revelação não aceita e revelação aceita são mais adequados para o entendimento, identificação, acolhimento  e tratamento das situações de abuso sexual, considerando o espaço familiar e o espaço público das pessoas que convivem com a criança ou adolescente em situação de violência e com ele atuam nas instâncias de assistência, proteção e garantia de direitos. Revelação não aceita se configura como as expressões não verbais, como as manifestadas pelo corpo e pela emoção, e mesmo aquelas verbalmente expressas, mas desqualificadas pelo adulto. Revelação aceita, por sua vez, se configura como o momento em que a revelação é aceita como efetivamente ocorrida no espaço intrafamiliar. ; This work dialogues with the expressions used in the same theory and in the clinic relative to the sexual abuse: syndrome of the secret and revelation of the secret. We understand, from our clinical experience of attendance the adolescent victims of abuse, that the terms not accepted revelation and accepted revelation more are adjusted for the agreement, identification, shelter and treatment of the situations of sexual abuse, considering the familiar space and the public space of the people that the child or adolescent in violence situation coexists and it acts in the instances of assistance, protection and guarantee of rights. Not accepted revelation if configures as the not verbal expressions, as revealed for the body and the emotion, and same the those verbally express but disqualified by the adult. accepted revelation, in turn, if configures as the moment where the revelation is accepted as effectively occured in the intrafamiliar space.

Entrar