Atenção
  • JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 681

Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/sbrashorg/public_html/components/com_k2/models/item.php on line 877

Revista Brasileira de Sexualidade Humana Volume 10 - n° 2

Trabalhos de Atualização e Opinativos
1. Sangue e sexo ........................................................................
2. O prazer sexual da mulher: processo ainda em evolução .....
3. O sexo e a morte asseguram a evolução das espécies ..........
4. A educação moral .....................................................................
Trabalhos de Pesquisa
1. Ejaculação precoce: sintoma ou mito? .................................
2. Comportamento sexual: estudo fenomenológico com pessoas
portadoras do HIV.........................................................
3. Sexualidade, psiquismo e a educação sexual entre pai e filhos
adolescentes ...................................................................
Estudo de Caso
1. Uma ótica das disfunções da excitação sexual: um estudo de
caso de disfunção erétil......................................................
Resumo Comentado
1. Disfunção sexual e seu tratamento em pacientes com
Diabetes Mellitus...............................................................

A ética e o juízo profissional
Há algumas décadas vimos lutando para que os diversos segmentos
da sociedade reconheçam a necessidade em se tratar a sexualidade
humana com clareza, objetividade e com a delicadeza que ela
requer (assim como qualquer contexto afetivo-sexual o merece). Temos
visto crescer as publicações em temas afeitos à sexualidade, pesquisas
científicas que envolvem reprodução humana, cursos de formação
profissional, serviços de atendimento por telefone e Internet, consultoria
em jornais e revistas, programas de rádio e televisão. Certamente a
SBRASH, tem conquistado seus objetivos previstos em estatuto, que
intentam em primeiro plano estimular o estudo da sexualidade humana
promovendo o intercâmbio científico entre os profissionais, através de
cursos, seminários, eventos e outras atividades, bem como publicar e
apoiar outras publicações e materiais de boa qualidade que tenham propostas
educativas, de orientação e informação. É com satisfação que
temos compartilhado com muitos de nossos associados a conquista de
seu empenho profissional, seja este uma obra, um artigo para jornal, ou
ainda um caso atendido em consultório.
Se a conscientização de uma necessidade (que Vitiello tão bem
nomeou de “A educação sexual necessária”) e a estimulação da formação
dos profissionais que buscam qualificação nesta área, tem sido
nossa constante preocupação, parece-nos que no início deste novo
milênio a discussão também apontará para a questão ética do profissional
em sexologia. A começar pelo termo “sexólogo”, amplo o suficiente
para apropriações indevidas (inclusive matéria do editorial de
nosso Boletim Informativo Ano XI - n° 04 - 1999), a qualificação
profissional e mais precisamente, as vertentes que compõem a atuação
destes profissionais tem sido tema de discussão em correspondência
direta ao desenvolvimento dos conceitos que envolvem a noção de
cidadania.
Temos observado que outras entidades, muitas delas parceiras
da SBRASH, tem também traçado alguns perfis interessantes. O
Conselho Federal de Psicologia, por exemplo, publicou uma resolução
em 23 de março deste ano que estabelece “...normas para que os psicólogos
contribuam para acabar com as discriminações em relação à orientação
sexual” (resolução do CFP n°- 1/99). Também a WAS - World
Association for Sexology, divulgou em agosto deste ano a “Declaração
dos Direitos Sexuais” que desde 1997 vem sendo elaborada por seus
associados.

Outras temáticas tem sido levadas a público demonstrando a
preocupação com a necessidade do tracejado ético que envolve a vida
do ser humano, levando em consideração a sua individualidade, sua
interação com o meio e sua constante evolução. Abordam desde
questões que envolvem a biogenética como a escolha dos gametas para
a reprodução ou cirurgias para mudança de sexo, a possibilidade legal
de aborto eugênico ou ainda a liberdade do uso do computador “plugado”
na Internet para troca de imagens eróticas de qualquer ordem.
A palavra ética assim está descrita no mais que conhecido
dicionário Aurélio da língua portuguesa: “Estudo dos juízos de apreciação
referentes à conduta humana, do ponto de vista do bem e do mal”.
Embora esta descrição contenha até um certo viés maniqueísta (do bem
e do mal) e possa ser objeto de outra reflexão e escrito, o que nos chama
a atenção é a palavra conduta. Conduta como procedimento ou comportamento
remete a ação de executar, mas também faz alusão a conduzir,
direcionar. Nesse sentido acredito que temos nos empenhado em
conduzir com esmero, os estudos da sexualidade humana para o âmbito
social, educacional e político de nosso país. Há que se reforçar, no
entanto, que nem sempre e infelizmente as discussões que envolvem o
poder público buscam, nos profissionais da área da sexualidade, informação
a apoio.
Em nossos “estudos de juízo” temos tentado avaliar as qualificações
profissionais, formular um código de ética, publicar manuais de
referência, auxiliar em uma especialização profissional de boa qualidade.
Entretanto só isso não basta. Cada profissional deve ostentar
também certo juízo para refletir sobre sua conduta ética. Assim poderá
auxiliar na construção do processo ético de nossa sociedade, que esperamos
esteja por ajuizar-se nos próximos anos.
Ana Cristina Canosa Gonçalves
Editora assistente


Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/sbrashorg/public_html/templates/gk_university/html/com_k2/templates/default/item.php on line 134

Entrar