Super-sexo: a influência do filme pornográfico no comportamento sexual masculino

Título: Super-sexo: a influência do filme pornográfico no comportamento sexual masculino
Autor(es): A. H. S. Francisco
Ano: 2015
Periódico: Revista Brasileira de Sexualidade Humana
Volume: 26
Número: 2
Páginas: 15-22
Tipo de Artigo: Trabalhos de Congresso
ISSN: 2236-0530
Palavras-chave: pornografia; filmes pornográficos; mídia; comportamento sexual; porn; porn movies; media; sexual behavior

Resumo: O ato de registrar o cotidiano – incluindo a vida sexual – faz parte da experiência humana desde tempos muito antigos. Ao longo do tempo e do espaço, o ser humano encontrou várias formas de registrar suas experiências sexuais. Porém, somente nos últimos 50 anos é que temos vivenciando momentos de maior abertura para falar de assuntos sexuais. Há muito tempo que sexo é um tema tabu na sociedade, por tratar de intimidade. Assim, a pornografia provoca admiração e repúdio. Assumindo que o comportamento humano é socialmente construído, o comportamento sexual também é resultado de um processo contínuo de aprendizado. Tal processo educativo conta, entre outros elementos, com a participação dos filmes pornográficos. Tais filmes atuam massivamente no imaginário – individual e coletivo – e reforçam ideias, estereótipos, padrões de comportamento que podem ser entendidos pelos consumidores de pornografia como representação da realidade e, portanto, elementos de (re)produção. A pornografia apresenta um ‘super-sexo’, contemplando performances e desempenhos sexuais extremamente atléticos e pouco conectados com a realidade. Assim, os homens consomem um ideário de masculinidade, virilidade e uma gama de práticas e performances que se ‘naturalizam’ e, portanto, passam a fazer parte de seus anseios e expectativas. Quanto mais longe da realidade do indivíduo se encontra tal lógica e tal estética, maior é o grau de frustração (sexual) do indivíduo. Ao associar estudos sobre a vida sexual com pesquisas acerca da pornografia, podemos perceber que a frustração quanto ao desempenho pode ser fator desencadeador de disfunções e inadequações sexuais, especialmente na população masculina – público-alvo prioritário dos filmes pornográficos. O estudo da influência da pornografia no comportamento sexual pode contribuir com o processo de redução de tais angústias e na busca de uma vida sexual mais autônoma, menos normativa. / The act of recording daily life - including sexual life - has been part of the human experience since ancient times. Throughout time and space, human beings have found a variety of ways to register their own sex experiences. But only in the last 50 years we have experienced moments of greater openness when talking about sexual matters. Sex is a taboo topic in society because it deals with intimacy. Thus, pornography causes admiration and disgust. Assuming that the human behavior is socially constructed, sexual behavior is also the result of a continuous learning process. This educational process, among other things, counts on the participation of porn movies. These films act massively in the imaginary - individual and collective ones - and reinforce ideas, stereotypes, patterns of behavior that can be understood by consumers of pornography as a representation of reality and, in consequence, (re)production elements. Pornography shows a ‘super sex’, comprising extremely athletic sexual performances not greatly connected with reality. Thus, men consume an ideal of masculinity, virility and a range of practices and performances that are ‘naturalized’ and, thus become part of their desires and expectations. The further from the individual’s reality such logic and aesthetic are, the greater the degree of (sexual) frustration of the individual. Correlating to sex life studies and research about pornography, one can see that frustration in regards to performance may be a triggering factor of sexual dysfunctions and inadequacies, particularly in the male population - a priority target audience of pornographic films. The study of the influence of pornography on sexual behavior can contribute to the process of reducing such anxieties and finding a healthy(ier) sex life.

Entrar