Sexo, reprodução, amor e erotismo

Título: Sexo, reprodução, amor e erotismo
Autor(es): M. d. A. R. Caridade
Ano: 1995
Periódico: Revista Brasileira de Sexualidade Humana
Volume: 6
Número: 1
Páginas: 51-59
Tipo de Artigo: Opinião
ISSN: 0103-6122
Língua: Portuguese

Resumo: As palavras estão relacionadas a contextos significativos. Sexo, por exemplo, vem do verbo latino “secare” que significa “cortar”, “separar”. Araguari (1) acha que o termo sexo foi utilizado para uma abordagem mais biológica, sendo um conceito limitado. De fato, desde o século XIX, o vocábulo refere-se às relações físicas entre os sexos, “fazer sexo”. Com a necessidade de uma conceituação mais ampla, surgiu o termo “sexualidade” que não é um fenômeno primordialmente natural, mas antes um produto de forças sociais e históricas, e que inclui, além do biológico, o impulso e a emoção que o sexo pode produzir. Reprodução, erotismo e amor, também se contextualizam em meio as concepções originárias dos seres humanos e seus valores, quase sempre expressos por mitos. São termos estreitamente vinculados às origens e significados do existir humano. (resumo indisponível, trecho do artigo).

Entrar