O que é ser mulher na contemporaneidade?

Título: O que é ser mulher na contemporaneidade?
Autor(es): V. N. Machado
Ano: 2015
Periódico: Revista Brasileira de Sexualidade Humana
Volume: 26
Número: 2
Páginas: 23-26
Tipo de Artigo: Trabalhos de Congresso
ISSN: 2236-0530
Palavras-chave: contemporâneo; modernidade; mulher; contemporary; modernity; women

Resumo: Neste artigo, faço uma reflexão que enfoca a condição da mulher/ de ser mulher na sociedade atual a partir da leitura de alguns teóricos como: Moita Lopes, Guacira Louro, Agambem, Bell Hooks, Silviano Santiago, que abordam as questões da contemporaneidade, da escuta aos marginalizados da Teoria Queer, à transgressão das fronteiras de modo geral (na vida, na educação, da normatização, da conceituação de normas e condutas). Teorias que auxiliam a problematizar as imbricações de poder, diferença e desigualdade, teorias que trazem uma interrogação sobre a modernidade. Para além da utilização das teorias, procuro refletir a situação da mulher no mundo contemporâneo utilizando minha percepção como mulher que se encontra inserida no mercado de trabalho, que utiliza “dispositivos” e que busca conhecimento, de forma a poder construir uma discussão de modo situado. Coloco a mulher em situação de marginalidade. A questão contemporânea engloba a reinvenção da vida social, as formas de produzir conhecimento, além de colaborar para que se abram alternativas sociais com base na e com as vozes dos que estão às margens. / This article is a reflection upon the condition of women/ of being a woman in contemporary society according to some theorists such as: Moita Lopes, Guacira Louro, Agambem, Bell Hooks, Silviano Santiago; addressing questions of contemporaneity, listening to the marginalized, Queer Theory, transgression of frontiers “generally speaking” (in life, in education, of normalization, of conceptual norms and conducts). Theories which point issues such as imbrication of power; differences and inequality and put forward questions about modernity). Beyond the utilization of the theories, this is a reflection about the situation of women in the contemporary world; utilizing my perception as a woman in the workforce, who utilizes ‘devices’ and seeking knowledge, as a way of constructing a situated way of discussion. Women are placed in a situation of marginality. The contemporary question of reinvention social life; of forms of producing knowledge, besides collaboration towards the opening of social alternatives based on, and containing, the voices of those who are on the margins.

Entrar