O nada - um passeio pela masturbação feminina na perspectiva da história

Título: “O nada” - um passeio pela masturbação feminina na perspectiva da história
Autor(es): C. S. C. Yokoyama
Ano: 2009
Periódico: Revista Brasileira de Sexualidade Humana
Volume: 20
Número: 2
Páginas: 54-69
Tipo de Artigo: Artigos Opinativos e de Revisão
ISSN: 2236-0530
Palavras-chave: mulher; masturbação; história; women; masturbation; history
Língua: Portuguese

Resumo: Vamos construir um passeio pela história com foco no que foi a masturbação feminina e como ela esta inserida na atualidade. Apesar de encontrarmos uma escassez literária em relação à masturbação feminina vamos analisar a posição da mulher nas sociedades ao longo da história para compreender o desenvolvimento da sua sexualidade. Os diferentes significados encontrados para a masturbação apresentam em comum a expressiva conotação negativa, chegando até mesmo a proibição do ato sexual ou do ato de excitar os órgãos genitais masculinos. Historicamente a masturbação feminina não é falada ou é revelada por falas sublinhares, por exemplo, na Grécia não se falava nesse assunto mas havia a venda do acessório para masturbação (chamado dildo). Percebemos que existia a masturbação.Homens e mulheres são iguais e diferentes em suas complexidades, cada um com seu desenvolvimento, sua vida, mas ambos possuem sexualidade e tem o direito de desenvolvê-la e exercê-la qualitativamente. ; Let's build a tour of the history that was focused on the female masturbation and how it is embedded in the present. Although we find a shortage of literature on female masturbation we examine the position of women in societies throughout history to understand the development of their sexuality. The different meanings found to have shared a masturbation expressive negative connotation, reaching even the prohibition of sexual act or the act to excite the male genital organs. Historically, the female masturbation is not spoken or is revealed by words highlighted, for example, Greece does not speak in this matter but was incidental to the sale of masturbation (called Dildo). I noticed that there was masturbation. Men and women are equal and different in their complexities, each with its development, its life, but both have sexuality and have the right to develop it and exercise it qualitatively.

Entrar