Disfunção erétil: opinião do paciente durante o possível tratamento

Título: Disfunção erétil: opinião do paciente durante o possível tratamento
Autor(es): O. M. Rodrigues Jr. and M. R. B. Pugliese
Ano: 1993
Periódico: Revista Brasileira de Sexualidade Humana
Volume: 4
Número: 1
Páginas: 75-87
Tipo de Artigo: Trabalhos de Pesquisa
ISSN: 0103-6122
Língua: Portuguese

Resumo: Com o objetivo de reconhecer as expectativas quanto a possível, tratamentos, durante a fase diagnóstica, de homens impotentes sexualmente, procedeu-se a estudo retrospectivo de 1681 pacientes, em clínica privada de caráter multidisciplinar. As expectativas quanto aos possíveis tratamentos encontram-se apresentados nas respostas ao Inventário I.H.E. de sexualidade masculina, forma III, referindo aceitação, rejeição/desconhecimento sobre as seguintes condutas: cirurgias, psicoterapias, medicamentos, orientação sexual, prótese peniana, hormônios, outros trata- mentos. A referência anterior à conduta terapêutica no que se refere à aceitação foi maior para medicamento (60,31%); orientação sexual (55,15%) e psicoterapia (52,38%). Em contrapartida, prótese peniana (20,23%), cirurgia (15,87%) e hormônio (8%) foram os mais rejeitados. Já os tratamentos mais desconhecidos para estes pacientes foram: outros tratamentos que não os citados (8,73%); hormônios (7,14%); prótese peniana (6,7%) e psicoterapia (6,34%). De 194 (88,18%) indicações do psicoterapia, foram efetuadas 68 (35,57%). Das 34 cirurgias propostas (15,46%), foram realizadas 50%, sendo que dessas 17 cirurgias, 8 eram de implante para prótese peniana (47,06%). O mesmo aconteceu no que se refere aos medicamentos: 40 propostas, (18,18%), sendo realizadas apenas 50% delas. Notou-se que as expectativas anteriores à proposta de tratamento pouco influenciam em seu curso real. A opinião abalizada do médico é a que mais conta; percebe-se, porém, que a motivação interna do paciente interfere na realização do tratamento que se realizará à contento, se tal motivação estiver presente de forma positiva. Caso contrário, é de fundamental importância a relação médico-paciente e o quanto ela pode influenciar na aceitação de tratamentos, reestruturando cognitivamente o paciente. Entretanto, observa-se que essas motivações intrínsecas, quando inadequadas, podem ser alteradas com a intervenção a mais de um profissional de saúde mental. Essas motivações intrínsecas ainda devem conduzir o paciente à aceitação de tratamentos para a disfunção erétil. ; In order to recognize expectancy towards the possibility of treatment for erectile dysfunction, prior to treatment reference a retrospective study of 1681 male patients was made the expectancy found at the I.1I.E. Male Sexuality Inventory, form III, which refered acceptancerejecion/unknowledge about surgeries, psychotherapy, medication, sexual education, penile protheses, hormones, and “other treatments”. The prior acceptance was higher for medication (60.31 %), sexual education (55.15%) and psychotherapy (52.38%) but lower for penile protheses (20.23%), surgeries (15.87%) and hormones (8%), the mostly rejected. The most unknown treatments were the non-cited (8.73%), hormones (7.14%), penile protheses (6.7%) and psychotherapy (6.34%). Out of 194 (88.18%) references of psychotherapy, 68 patients (35.57%) were treated. Out of 34 (15.46%) referred for surgeries, 50% were done, from which 8 were penile protheses implantations (47.06%). Medications were penile prescribed for 40 patients (18.18%) and accepted by 50%. Prior expectancy do not really counts for the acceptance of the treatments. The professional opinion by the physician takes the patient to accept the treatments, although subjective motivation do interferes with that acceptance. This seems to be the explanation besides the importance of the empathy between patient and physician is able to re-structure within the patient taking him to accept treatments, unless his emotional/nonrational motivations do not let him treat adequately his erectile dysfunction.

Entrar