A influência dos meios de comunicação no desenvolvimento da sexualidade

Título: A influência dos meios de comunicação no desenvolvimento da sexualidade
Autor(es): M. H. Gouveia
Ano: 1990
Periódico: Revista Brasileira de Sexualidade Humana
Volume: 1
Número: 1
Páginas: 29-34
Tipo de Artigo: Opinião
ISSN: 0103-6122
Língua: Portuguese

Resumo: Circulam atualmente três tipos principais de revistas ditas “femininas”. a. Revistas para a mulher independente economicamente e liberada de preconceitos. Além das qualidades gráfica e redacional, desenvolvem uma pauta basicamente vivencial: artigos, entrevistas, enquetes, cuja tônica é o desenvolvimento da sexualidade feminina, durante tantos anos reprimida. Essas revistas visam ensinar como desenvolver a sexualidade, expressão, no caso, sinônima de: como tirar proveito, como aprender, como ser uma mulher vencedora, com liberdade, dinheiro e sexualmente realizada. Exemplo de alguns títulos: “Como obter cinco orgasmos em meia hora”; “Saiba o que o seu parceiro gosta mais, na cama”; “Descubra detalhadamente a intensidade de suas zonas erógenas”. b. Revistas para as “gatinhas”, no caso adolescentes. Seguindo a mesma linha de apresentação visual, enfoca principalmente moda (enfatizando o corpo em primeiro lugar - atualmente minissaias, miniblusas), valorizando os cuidados com a pele, os cabelos etc. Matérias leves sobre comportamento, medicina e sexo, além de algumas receitinhas fáceis para o lanche, completam estas publicações mensais. c. Outras revistas femininas de grande procura, leitura multiplicada e quase obrigatória nos salões de beleza, são aquelas cujo ingrediente principal é a fofoca, alcançando seus objetivos sem perigo de erro. “Quem deixou quem por quem”, é infalível. “Quem está grávida de quem”, como funciona! E em manchete de capa! “Quem vai ‘tirar a virgindade de quem” na novela que ocupa o primeiro lugar no IBOPE, é capa fotográfica! (resumo indisponível, trecho do artigo).

Entrar